Vale Log

Notícias

+ Aumentar - Diminuir Normal

FALTA DE MOTORISTAS QUALIFICADOS PREOCUPA MERCADO RODOVIÁRIO DE TRANSPORTE DE CARGAS

CDL Lajeado visita coirmã de Santa Cruz do Sul para troca de ideias (6)

 

Está cada dia mais difícil encontrar motoristas qualificados à disposição no mercado. Segundo dados do IPTC – Instituto Paulista de Transporte de Carga – muitos países já sofrem com a falta deste profissional. Nos Estados Unidos, este dado é monitorado há 15 anos, chegando a faltar 60 mil motoristas em 2018. A estimativa é de que em 2028 faltem cerca de 160 mil motoristas. Já na Europa, em 2019, faltaram 127 mil motoristas, principalmente em países como Inglaterra, Alemanha e Espanha, e o Brasil vem acompanhando essa tendência mundial.

Esta escassez de mão-de-obra se deve a dois fatores principais: o alto nível de qualificação exigido dos motoristas e o interesse pela profissão em declínio. Quem confirma esta informação é Adelar Steffler, presidente da Cooperativa de Transportes Vale Log: Com o envelhecimento da categoria e a vinda de caminhões cada vez mais sofisticados eletronicamente, a falta de motoristas já é uma realidade. Muitos estão deixando a função por conta da idade, outros por não ter habilidade de manusear estas novas tecnologias, afirma.

EXIGÊNCIAS DO MERCADO

O motorista que deseja se tornar caminhoneiro precisa passar por todo processo de habilitação, com obrigatoriedade de apresentação de exames toxicológicos regulares, treinamento e certificação, além de obter experiência mínima antes de ser contratado por uma empresa.

“Hoje todo mercado é muito exigente. Precisamos transportar com mais qualidade e menor custo, além de investir em capacitações como direção defensiva e condução econômica. Tudo isso para nos mantermos sustentáveis e transportando com segurança”, afirma Steffler.

DESINTERESSE PELA PROFISSÃO

Um dos motivos pelo desinteresse da profissão está ligado ao rigor da legislação atual. O maior volume de cargas hoje é realizado com veículos que necessitam de habilitação categoria “E”, devendo o motorista ser maior de 21 anos. Isso faz com que os jovens busquem outras profissões antes de ter a chance de se estabelecer como motorista de carga.

O fato é: os caminhoneiros estão envelhecendo. A falta de oportunidade do primeiro emprego, somada a falta de experiência, não permite que jovens ingressem nesta profissão, em veículos de grande porte. Trata-se de uma atividade que muitas vezes passa despercebida – exceto nos momentos em que deixa de ser realizada.

PERSPECTIVAS POSITIVAS

As perspectivas para a classe nos próximos anos são positivas. Segundo relatório do Linkedin sobre Profissões Emergentes em 2020, a de motorista está entre as 15 em ascensão no Brasil. Isso se deve, dentre outras coisas, ao aquecido mercado de logística e transporte. Os motoristas assumiram certo protagonismo durante a pandemia. A categoria não parou e garantiu o abastecimento da população durante a crise sanitária, arriscando a própria saúde para manter o país funcionando.

O FUTURO DA PROFISSÃO

Investir na qualificação dos motoristas já existentes e na formação de novos profissionais são ações que devem ser feitas para garantir o futuro da profissão. Precisamos trazer e dar oportunidade aos jovens e as mulheres, apresentando a eles à realidade da profissão de motorista – os pontos positivos e negativos – mostrando que, com a evolução dos caminhões em termos de tecnologia, e com qualificação e empenho, existe uma ótima oportunidade de crescimento financeiro nesta carreira, finaliza Steffler.

 

Acesse esta matérias nas mídias regionais:

O Alto Taquari 

O Informativo do Vale

A Hora